sábado, fevereiro 11, 2006

Tunísia - Um país de enormes contrastes

Com a vitória do Sr.Silva nas eleições, nada melhor que tirar uns dias de férias a ver se esquecia esse pesadelo. Após os avanços e recúos habituais, acabamos por optar pela Tunísia e por fazer um circuito de 8 dias a correr todo o país. Aterramos em Tunis, e descemos todo o país pelo interior, junto a fronteira com a Argélia, até ao deserto do Sahara.Depois, voltamos a subir até Tunis, mas agora pelo litoral tunisino e dando um saltinho a bonita ilha de Djerba.
A opção por este circuito revelou-se tremendamente acertada, pois permitiu-nos ter uma ideia clara de todo o país,no qual encontramos abismais diferenças no modo de vida, e permitiu-nos um contacto mais próximo com populações perdidas em zonas normalmente de dfícil acesso.Ainda assim, este circuito teve o inconveniente de ser muito cansativo, pois em terras tunisinas fizemos mais de 2500 quilómetros de autocarro, e todos os dias tinhamos que sair dos hoteis por volta das 6 horas da manhã, pelo que quando cheguei a Lisboa tive que tirar outras férias para descansar.
Em baixo, deixo algumas das fotos que tiramos, e deixo também aqui alguns locais que não devem perder se visitarem a Tunísia: Cartago, Dougga, Kaiouran, Nefta (a cidade que mais gostei), Douz, Matmata, a bonita ilha de Djerba, Tozeur e El Djem. Os locais que menos gostei, e curiosamente, ou talvez não , foram os ditos locais turísticos como Tunis, Sousse e Hammamet.

Um quarto de uma casa em Matmata

Em Matmata tivemos opurtunidade de visitar as casas tipícas do povo berber, ancestrais dos tunisinos, que vivem em casas escavadas nos solos.Na foto, podemos ver um quarto de uma dessas casas.Em Matmata existem muitas, e não são turísticas, são mesmo as casas onde este povo vive e algumas delas espantam-nos pelos comodismos que já apresentam

Ilha de Djerba

A ilha de Djerba é a maior ilha do Norte de África. Ali em cada canto existe uma olaria, e sua louça é de facto muito bonita.Ao contrário do restante país, aqui existe muito turismo inglês, e muitos têm casa própria na ilha, que segundo me disseram é um autêntico paraiso fiscal, daí não ser de estranhar a compra de moradias por estrangeiros.É uma ilha bonita e que tem uma curiosidade, nenhuma casa pode ser mais alta que a palmeira mais alta que existe na ilha.

Vista da fachada mais destruída do Anfiteatro de El Djem

O anfiteatro romano de El Djem impressiona pela sua grandeza

Uma casa peculiar em Matmata

Nesta foto, podemos ver uma vista geral da casa.O que vemos é o pátio e as respactivas portas de acesso ás várias divisões da casa

A cidade encantadora de Tozeur

Tozeur foi uma das cidades que mais nos encantou.Aí tivemos opurtunidade de visitar um bonito museu de trajes tradicionais e oportunidade de passear pelo seu enorme mercado.No meio na foto, está o Berbero, um dos tipos mais porreirinhos que conhecemos na viagem.Dentro daqueles sacos há de tudo para vender, é um autêntico supermercado ambulante.E ainda nos conseguiu enganar, ao alugar-nos a mota dele por 1 euro, pois passamos mais tempo a empurrá-la que em cima dela.

Lago Salgado de Chott el Djerid

Uma das imagens mais bonitas que me ficam da viagem, é o enorme lago salgado de Chott el Djerid. É um lago imenso e que corta toda a Tunísia de este-oeste. Recentemente foi construída uma estrada, que atravessa todo o lago e une as cidades de Douz a Gabes

Anfiteatro Romano de El Djem

O anfiteatro de El Djem impressiona pela sua grandeza. É de facto uma obra prima dos romanos e felizmente está em razoável estado de conservação.

A bonita cidade de Nefta

Nefta foi a cidade onde estivemos mais tempo.Serviu-nos de base para efectuarmos algumas visitas a toda a parte sudoeste da Tunísia.É uma cidade muito pequena e onde todo o seu povo apresenta uma cativante simplicidade e simpatia. Tivemos pena de não ficar aqui mais tempo, pois rapidamente se integramos no meio.Aqui uma foto que tiramos no café onde a noite costumavamos ir, onde jogavamos umas cartadas, bebíamos uns chás ( sim , porque ali não se vende álcool) e fumavamos uma chicha ( a chicha é para eles um acto sagrado e de covívio social. Eles passam todo o tempo que estão no café, a fumar chicha, jogar cartas e conversar. É um tabaco tipíco, mais forte do que estamos habituados).

Em pleno deserto do Sahara

Como qualquer turista não resistimos a dar uma volta de camelo e a apreciar a imensidão do deserto

Aldeia artificial no meio do deserto

Aqui podemos ver uma vista parcial de uma aldeia que os americanos construíram para rodar um dos filmes da sequela de "Guerra das estrelas" e que hoje é um pólo de turismo junto a cidade de Nefta.

Oásis de Tamerza

Vista parcial do enorme oásis de Tamarza

Oásis de Tamerza

Uma vista geral do óasis de Tamerza

Dougga - Centro Arquitectónico da época romana

A cerca de 100 quilómetros de Tunis, encontramos o centro arquitéctonico de Dougga.Em razoável estado de conservação, este local permite-nos ter uma clara ideia do que era a vida dos romanos naquela época

Kaiouran e a sua enorme mesquita

Kaiouran foi a cidade onde encontramos mais conservadorismo religioso. Aqui deixamos uma foto da sua imponente mesquita, uma das mais importantes de todo o Norte de África.

Dougga - Centro Arquitectónico da época romana

Museu do Bardo

O museu do Bardo, em Tunis, é o museu mais importante do mundo no que se refere a mosaicos da época romana.Para quem como eu, gosta de arqueologia, este é de facto um lugar delicioso, pena é que o nosso guia só falasse castelhano e que pouco tenhamos compreendido das sauas explicações.

Dougga - Centro Arquitectónico da época romana

O guarda desta intressante aldeia romana

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...